Desenvolvimento socialmente sustentável deve ser ensinado nas escolas

27/12/2016 00:44

A chave para o desenvolvimento socialmente sustentável é a participação, a organização, a educação e o fortalecimento das pessoas. Daí a necessidade de ensiná-lo nas escolas

 

CPT - Centro de Produções Técnicas

 Desenvolvimento socialmente sustentável deve ser ensinado nas escolas   Artigos Cursos CPT


 

 A chave para o desenvolvimento é a participação, a organização, a educação e o fortalecimento das pessoas. Sendo assim, o desenvolvimento sustentado não é centrado apenas na produção, é sim centrado nas pessoas. Portanto, ele deve ser apropriado não só aos recursos e ao meio ambiente, mas à cultura, história e sistemas sociais do local onde ele ocorre. Daí a grande necessidade de se ensinar a nossas crianças o que é desenvolvimento socialmente sustentável nas escolas.

Segundo Michelle Gomes Lelis, professora do Curso a Distância CPT Educação Infantil - Educação Financeira e Empreendedorismo, em Livro+DVD e Curso Online, “Desenvolvimento socialmente sustentável deve ser um assunto equitativo e agradável para as crianças em idade escolar. Afinal, é inaceitável haver desperdícios de recursos naturais, especialmente quando parte da população está submetida a um debilitante e crônico estado de pobreza”.

Por isso, é de extrema importância que nossos alunos sejam conscientizados das várias maneiras de se contribuir para um desenvolvimento sustentável. Dicas como as abaixo relacionadas interessam muito mais às crianças do que um texto extenso sobre o assunto.

 

1- Eletricidade


Dicas inteligentes para você desfrutar do conforto que a energia elétrica proporciona:

- Geladeira: evite abrir a geladeira várias vezes; não coloque alimentos quentes; não a deixe exposta ao sol ou perto de outras fontes de calor; verifique periodicamente a vedação da porta.

- Ferro de passar: passe de uma só vez o máximo de roupa; use a temperatura adequada para cada tipo de tecido.

- Chuveiro elétrico: use a chave na posição “verão”. A economia de energia será de 30%. A água muito quente, além de prejudicar o bolso, pode causar danos à pele. O chuveiro elétrico é um dos aparelhos que mais consome energia. O ideal é evitar seu uso em horários de maior consumo (de pico): entre 18h e 20h30min.

- Lâmpada: evite acender lâmpada durante o dia, aproveite a luz solar. As lâmpadas fluorescentes são mais econômicas, iluminam mais que as convencionais fosforescentes e têm vida útil mais longa. Evite cores escuras nas paredes, pois exigem mais iluminação.

- Ferro elétrico: mantê-lo na temperatura adequada a cada tipo de tecido e procurar passar toda a roupa da semana de uma só vez.

- Eletrodoméstico: preste atenção nas tarjas amarelas. Elas indicam que o aparelho foi projetado para baixo consumo de energia, com a mesma eficiência dos outros.

- Televisão: desligue a TV quando ninguém estiver assistindo; compre o modelo (polegadas da tela) de acordo com o tamanho de seu ambiente.

- Ar Condicionado: dimensione a potência (BTU) do aparelho de acordo com o tamanho do ambiente e instale-o na parte superior da parede; limpe o filtro do aparelho periodicamente; mantenha janelas e portas fechadas.

2- Água


O custo para tratamento da água é alto e uns pagam pelos outros. Torneiras, válvulas com defeito e vazamentos dão um prejuízo enorme. Use racionalmente nos jardins, hortas, condomínios e na lavagem do carro. Não varra as calçadas com jato d’água. Uma pessoa consome, em média, por dia, cerca de 250 L de água: banho, cuidados de higiene, comida, lavagem de louça e roupas, limpeza da casa, plantas e, claro, a água que se bebe.

3- Telefone


Hoje um dos custos que mais pesam no orçamento familiar é a conta de telefone. Todos nós devemos estar cientes do custo que as ligações possuem em diferentes horários e quanto pagamos pelos pulsos. Sabendo dessa realidade, fica muito mais fácil para a criança ajudar a economizar dentro de casa. Como também orientar aos que estão ao seu redor a ter bons hábitos.

Conheça os Cursos CPT, em Livros+DVDs e Cursos Online, da área Educação Infantil.
Por Silvana Teixeira.

—————

Voltar